Show de Wander Wildner é interrompido após declarações machistas e racistas do músico


O show realizado por Wander Wildner neste final de semana em São Paulo foi marcado por uma polêmica envolvendo declarações machistas e racistas do músico gaúcho, dono de extensa carreira solo e ex-vocalista da banda punk Os Replicantes.

Durante a apresentação no bar Fatiado Discos & Cervejas Especiais, na Pompeia, segundo relatos da produção do show e das pessoas presentes Wildner foi ao microfone e soltou “já que nenhuma vadia me traz uma cerveja”, descontente com a demora para a bebida chegar até o palco. Além disso, teria também preferido declarações racistas. O fato levou a produção do evento a desligar o microfone de Wildner e cancelar imediatamente a apresentação.

Tanto a Fatiado Discos quanto Wander Wildner soltaram declarações em suas redes sociais sobre o ocorrido. No entanto, a “defesa" de Wildner, informando que as frases fazem parte do seu show, não convence. Para um músico que vem de uma banda punk e sempre teve um discurso de contestação em relação ao sistema, as palavras de Wander soam no mínimo estranhas. E, na boa, em pleno 2017 supostamente inserir frases machistas e racistas no roteiro de um show de rock mostra uma assustadora desconexão e falta de percepção da realidade.

Abaixo estão os comunicados da Fatiado Discos e de Wander Wildner sobre os incidentes:


Paulo Barcellos, produtor do ex-vocalista do Replicantes, comunicou que as coisas não aconteceram da maneira como foram contadas.

Como convém nessas situações, abrimos espaço para que Barcellos expusesse o seu ponto de vista sobre o ocorrido, como você pode ler na declaração abaixo, escrita pelo produtor: 

"O dono da Fatiado Discos manipulou e criou um factoide, jogando inverdades na rede de forma irresponsável. Chamou o artista de machista utilizando uma frase fora de contexto, jogando o Wander pra um linchamento público. Eu não tolero injustiças. O que o dono da Fatiado Discos fez com o Wander é um ato de covardia. Houve problemas entre eles desde o começo do show no último sábado, ou seja, começou ruim, andou ruim e no final o cara fez esse ataque infeliz ao Wander, que tem seus defeitos, mas machista e homofóbico ele não é. O post lá da Fatiados foi apagado depois que uma menina postou a letra de uma das músicas da banda Rock Rockets, banda ao qual [Alan Feres] o proprietário do bar, é baterista. Uma coisa não justifica a outra, o Wander não falou aquilo no sentido como foi colocado e o Feres quis se aproveitar de uma luta feminista para auto promover seu bar e posar de bom moço. Alguém aí já viu alguma letra do Wander que fala de machismo ou racismo? Já da banda do dono do bar... (ouça música ‘Eu não queria me casar’ da Rock Rockets e repare na letra). Muito fácil lançar um post fuzilar uma pessoa e correr da raia”.

Comentários