Primeiro satélite geoestacionário brasileiro chega ao espaço


O primeiro sátelite geoestacionário brasileiro foi lançado ao espaço com sucesso por volta das 19:00 desta quinta-feira, 4 de maio, do Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa. Segundo a assessoria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), a janela de lançamento começava às 17:15 (horário de Brasília) e ia até às 20:20.

Acompanharam todo o processo engenheiros da Visiona, empresa responsável pelo projeto, que absorveram tecnologia na França durante a construção do satélite. A joint-venture entre Embraer e Telebras foi criada para estimular o setor espacial do país. “Já podemos construir satélites de menor porte”, diz Eduardo Bonini, presidente da Visiona.

Pago por dois ministérios, o satélite Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC) dará autonomia às Forças Armadas, fornecendo um canal de comunicação autônomo e totalmente operado no Brasil. Atualmente, os militares precisam alugar o serviço de satélites de outros países.

O SGDC também é parte essencial do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), criado em 2010 pelo governo federal com a missão de universalizar o acesso à internet de alta velocidade no Brasil. Grande parte da sinal do satélite geoestacionário servirá a este fim, levando internet banda larga a comunidades desconectadas nos cantos mais remotos do país.
Órbita geoestacionária

É uma espécie de cinturão com mais de 400 satélites cujas órbitas acompanham a rotação da Terra. Por isso, o SGDC estará sempre no mesmo ponto do céu para observadores na superfície, fornecendo comunicação ininterrupta com o território brasileiro e o Oceano Atlântico.

Banda Ka (internet banda larga): 75%
Banda X (comunicação Forças Armadas): 25%

Painéis solares
Geração de 12 kW de energia abasteceria 50 casas populares

Antenas de comunicação
Transmitem o sinal de banda larga e militar para as bases terrestres

Radiadores
Painéis espelhados nas laterais mantêm temperatura interna ideal

Ficha Técnica
Custo - R$ 2,7 bilhões
Ministérios - Defesa e Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações
Massa - 5.781 kg
Altitude - 36.000 km
Velocidade - 10.000 km/h
Vida útil - 18 anos


EM SOLO NACIONAL
Cinco cidades integram o sistema

Brasília (principal)
Antena de 18 metros e centro de controle ficam localizados em base da Aeronáutica

Rio de Janeiro (secundário)
Prestará assistência ao centro de Brasília e, se preciso, poderá controlar o satélite

Florianópolis, Salvador e Campo Grande
Estações de menor porte para retransmitir o sinal recebido e interligar todo o sistema

Comentários