Empresário do Motörhead detalha últimos dias de Lemmy



Empresário do Motörhead por 24 anos, Todd Singerman falou à Rolling Stone sobre como foram os últimos momentos de vida de Lemmy Kilmister. “Nas semanas recentes, ele já vinha diminuindo o ritmo. Não fazia mais as passagens de som e entrevistas. Não conseguia. Mas fez todos os shows. Imagine a energia e coragem para se apresentar diante dos fãs até duas semanas antes de partir. É uma história estilo Rocky, um exemplo de coragem. Ele estava morrendo. Não sabia, mas com certeza seu corpo estava sentindo, não tinha mais nada a oferecer”.

Dois dias após sua festa de aniversário antecipada, em Hollywood, Lemmy sentiu dores no peito. Foi levado ao hospital, mas liberado em 24 horas. Os médicos não encontraram grandes problemas. Mesmo assim, Singerman pediu que fosse feito um exame completo, pois a fala do vocalista estava estranha. Havia o medo de que ele tivesse sofrido um AVC. “Fizeram o raio-x e encontraram muitas coisas em seu cérebro e pescoço. No sábado passado, um médico foi até a casa dele com os resultados e revelou que lhe restavam entre dois e seis meses de vida”.

A reação foi a mais calma possível. “Lemmy aceitou melhor que qualquer um de nós. Seu único comentário foi ‘Oh, apenas dois meses, huh?’. O doutor confirmou, disse que não iria enganá-lo, era algo ruim e não havia o que fazer. Estaria mentindo se dissesse que havia qualquer chance. Eu queria manter a notícia privada, mas Lemmy pediu que fizesse um press release. Ele queria que as pessoas soubessem, pois era algo ruim. Decidimos fazer isso após contarmos a todos os amigos próximos”.

Enfermeiros foram contratados para ficar em plantão. Um kit de morfina foi disponibilizado, para prevenir a dor que viria. O videogame preferido no Rainbow Bar & Grill foi enviado. Os parceiros de Motörhead foram comunicados no domingo e se prepararam para visitá-lo. Um médico apareceu na manhã de segunda-feira. Ozzy Osbourne iria à tarde. Mikael Maglieri, proprietário do Rainbow, estava visitando Lemmy, que jogava o game. Quando, de repente, dormiu e não acordou mais. “Mikael ligou e me disse ‘Meu Deus, ele acabou de morrer na minha frente’”.

As reações foram imediatas na indústria musical, com vários tributos e manifestações de amigos. “Além do homem e lenda, existia alguém gentil, que fazia de tudo para você se sentir especial. O Lemmy que conheci e amava sempre estendeu a mão a novas bandas. Sentirei sua falta”, disse Gene Simmons à revista.

Comentários