Eagles Of Death Metal finalmente fala sobre ataques em Paris


Na última Sexta-feira, dia 13 de Novembro, o Eagles Of Death Metal estava tocando na casa de shows Le Bataclan, em Paris, quando o show foi interrompido por terroristas do Estado Islâmico que mataram 80 pessoas no local.

A única mensagem publicada até agora pelos canais oficiais do grupo dava conta de que “a segurança e localização” de membros da equipe e integrantes ainda estava sendo determinada, e a banda não se manifestou mais a respeito.

Há alguns minutos, porém, a banda liderada por Jesse Hughes finalmente voltou às mídias sociais com publicações sobre o terrível incidente e na página do Facebook falou:

Enquanto a banda está em casa segura, estamos aterrorizados e ainda tentando entender o que aconteceu na França. Nossos pensamentos e corações estão primeiro e mais importante com nosso irmão Nick Alexander, nossos camaradas da gravadora Thomas Ayad, Marie Mosser e Manu Perez, e todos os amigos e fãs cujas vidas foram levadas em Paris, bem como seus amigos, familiares e pessoas queridas.
Apesar de estarmos unidos na dor com as vítimas, os fãs, as famílias, os cidadãos de Paris, e todos aqueles afetados pelo terrorismo, temos orgulho de estarmos juntos, com a nossa nova família, agora unida por um objetivo em comum de amor e compaixão.
Gostaríamos de agradecer a polícia francesa, o FBI e os Departamentos de Estado dos Estados Unidos e da França, e especialmente todos aqueles no local do ataque conosco que se ajudaram da melhor maneira possível durante esse calvário inimaginável, provando novamente que o amor supera o mal.
Todos os shows do EODM estão suspensos até segunda ordem.
Vive la musique, vive la liberté, vive la France, and vive EODM.
Em tempo, Josh Homme, líder do Queens Of The Stone Age e fundador do Eagles Of Death Metal, criou uma campanha para arrecadar fundos para as famílias dos ataques em Paris.

Através da sua organização, a Fundação Sweet Stuff, Homme (que não estava com a banda no dia dos ataques) está recebendo doações por aqui.

Comentários