Ouvir música pode ajudar na recuperação pós-cirúrgica


Um simples procedimento de coleta de sangue já é motivo de pânico para quem fica nervoso só de pisar em um hospital. Mas cientistas britânicos têm boas notícias para ajudar a controlar esse problema, principalmente em cirurgias. E o método é seguro, barato e não invasivo: segundo os pesquisadores, ouvir música pode reduzir a dor e a ansiedade antes, durante e após uma operação — o que contribuiria ainda para que o paciente precise de menos doses de analgésicos para a recuperação.

Pesquisadores das universidades de Brunel e de Queen Mary, ambas de Londres, no Reino Unido, fizeram um levantamento que envolveu mais de 70 testes com cerca de 7 mil pacientes. Divulgado na publicação científica The Lancet, o estudo analisou o impacto da música quando comparada a tratamentos padrão e intervenções sem o uso de medicamentos — massagens, por exemplo — e seus efeitos no pós-operatório.

Os resultados indicam que a maioria dos participantes se mostrou menos ansiosa após a cirurgia, além de ter relatado menos dor e mais tranquilidade em relação ao grupo de pessoas que não ouviu músicas. Os pesquisadores também descobriram que ouvi-las antes da cirurgia pareceu ser mais eficaz do que dar o play durante ou depois do procedimento.

— Até mesmo ouvir música com anestesia geral reduziu os níveis de dor dos pacientes, embora os efeitos tenham sido mais significantes nos indivíduos conscientes — afirma Catherine Meads, uma das autoras da pesquisa, ao ressaltar também que, no entanto, a música não reduziu o tempo de internação.

A especialista acredita que as pessoas deveriam ter o livre arbítrio de escolher o tipo de música que eles gostariam de ouvir para maximizar os benefícios para o seu bem-estar. Contudo, é preciso ter cuidado para que a música não interfira na comunicação da equipe médica.

Outros estudos já tinha encontrado uma relação benéfica entre música e diminuição da ansiedade. Pesquisadores da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP mostraram, a partir da análise de aspectos fisiológicos e emocionais dos pacientes, que a música foi capaz de reduzir o nervosismo de pessoas submetidas à hemodiálise. De acordo com a equipe, ouvir o ritmo favorito por 30 minutos — uma sessão dura cerca de quatro horas — já apresentou resultados benéficos.

Comentários