Documentário revela porque amamos festivais de música


Em 2014, o documentário “No Cameras Allowed” (É Proibido filmar) mostrou a experiencia de um garoto em mais de 50 festivais de música ao redor do mundo. Isso incluiu passagens por eventos como Glastonbury, Bonaroo, Coachella e, entre outros, Austin City Limits.

Uma nova empreitada surgiu após isso com o novo documentário, intitulado apenas por “FESTIVAL”. O filme mostra a experiência individual de sete pessoas em três dias de festival. A intenção é mostrar um olhar honesto e detalhado sobre o motivo pelo qual essa geração gosta de grandes festivais, o que se perde, o que se ganha e qual a importância deles.

O diretor e produtor executivo do filme Michael Raspatello explicou que “não é um filme sobre show nem bastidores de qualquer festival”. Segundo ele, não se trata de glorificar a indústria dos festivais, “é uma coleção de histórias sobre pessoas reais, um instantâneo sobre o que acontece quando 100 mil pessoas passam o fim de semana em um festival”

O longa-metragem traz histórias de homens e mulheres, com idades entre os 20 e 40 anos, além de imagens inéditas de shows de nomes como Haim, Duke Dumont e Benny Benassi. O filme traz participações especiais de veteranos da indústria, jornalistas, segmentos históricos do Newport Folk e do Monterrey Jazz, vídeos de arquivos de festivais como o primeiro Lollapalooza e o Woodstock de 1999.

Uma campanha de financiamento coletiva para o lançamento do filme foi criada no site IndieGoGo. Veja aqui.

Comentários