Brasileiro cria canal global para apresentações de músicos de rua


Há dois anos, durante uma viagem à capital da Ucrânia, Kiev, o jornalista gaúcho Daniel Bacchieri ficou encantado com o som de um instrumento que nunca tinha ouvido. Era uma abandura, uma espécie de violão com 55 cordas tradicional do país. Quem a tocava era um músico de rua.

Bacchieri gravou a cena por meio da então recém-lançada função vídeo do aplicativo Instragram. Quando voltou ao Brasil, teve uma ideia: criar um canal que reunisse registros amadores de apresentações musicais de rua do mundo todo.

Foi assim que, semanas depois, nasceu o StreetMusicMap. Inicialmente, Bacchieri conta que usava sua própria conta no Instagram para divulgar o conteúdo. Com o boca a boca ─ e a ajuda primordial da internet, tornou-se um mapa colaborativo, em que os usuários registram em vídeo as performances e situam geograficamente onde elas ocorreram.

"Inicialmente, o canal só tinha vídeos de músicos de rua que eu havia filmado. Mas logo se tornou colaborativo porque amigos de amigos também começaram a enviar vídeos que haviam captado em diferentes cidades do mundo", explica.

"Comecei a me interessar a mapear os músicos de rua do mundo inteiro a partir Instagram".

"E sendo colaborativo há uma abertura para as pessoas enviarem vídeos. Sempre peço que seja identificado o local. O grande barato é geolocalizar essas apresentações", diz.

Cabe a Bacchieri filtrar quais vídeos serão exibidos no site (www.streetmusicmap.com) e nas redes sociais (Instagram e Facebook) ligadas ao canal. Atualmente, segundo ele, são mais de 800 registros ─ feitos por mais de 600 colaboradores de 80 países diferentes.

"O lado bacana da plataforma é que nessa vida maluca que a gente vive, os 15 segundos do vídeo são suficientes para prender a atenção da pessoa e provocar interesse dela clicar em outros vídeos de 15 segundos de músicos".


"Cada vez mais com a tecnologia, o palco pode ser em qualquer lugar e a audiência pode estar em qualquer lugar", finaliza.

Segundo Bacchieri, a divulgação dos vídeos dá maior visibilidade aos músicos de rua, aproximando-os do público e das gravadoras.

"Um dos objetivos principais do projeto é servir de ponte entre os músicos, os produtores musicais e os fãs. É facilitar essa triangulação, oxigenando a curadoria dos festivais e ampliando a possibilidade de monetização desses artistas".

"O trabalho segue sendo uma aposta. Mas cada segundo que tenho livre invisto intelectualmente no StreetMusicMap".

"O primeiro passo foi criar uma conta no Instagram; o segundo, geolocalizar esses músicos e o terceiro é criar um site que tenha os vídeos e a localização desses artistas", acrescenta.

Bacchieri credita à popularização da tecnologia a evolução do projeto.

"Mesmo em países onde nós acreditamos que a tecnologia pode estar um pouco distante, a popularização do smartphone é a grande parceira do nosso trabalho, porque a captação é feita quase que 100% por meio desse dispositivo".

"Nos lugares mais distantes do mundo, é possível essa conexão, essa captação e esse compartilhamento de informação".

Comentários